Cachorro Filhote - como escolher o seu animalzinho

Os cães possuem personalidade, da mesma forma que as pessoas. Se você já teve ou tem um cão como companheiro, deve entender o que estou falando. Do mesmo jeito que nós temos nossos gostos, nossas preferências, assim também são os cachorros.

Compartilhar

Isso deve ser levado em conta na hora de escolher seu animalzinho. Ele pode ser um filhote mimoso, delicado, carinhoso, mas vai crescer e precisar de todos os cuidados, treinamento, medicação, limpeza, como se fosse primeiro um bebê e, depois, o seu parceiro mais fiel.


Na hora de escolher o seu animalzinho você deve analisar o comportamento, as reações que ele tem, a forma como interage com você. Um filhote que rosna, mesmo de brincadeira, quando pequeno, pode se tornar um animal agressivo. Instintivamente o animal manifesta a sua liderança, o seu lado “alfa”, e você deverá ter mais cuidado no treinamento: o cão alfa tem a tendência de dominar tudo e todos, vai querer mandar na casa, não vai obedecer e, eventualmente, poderá até mesmo atacar as pessoas para dominá-las.


Você também não pode ficar penalizado com um filhotinho medroso demais, que se esconde, que foge do carinho. Um animal assim também pode se tornar agressivo: a agressividade é a arma que ele tem para se defender quando tem muito medo.


O melhor estilo para a escolha do seu futuro companheiro é o cão que tenha vivacidade, que olhe com respeito, que não seja desafiador. O tipo de personalidade que ele vai mostrar na idade adulta se manifesta no carinho que recebe e que dá quando bebê.


Procure também saber sobre os pais do seu futuro companheiro, se são agressivos, se são carinhosos, como interagem com os donos. A hereditariedade sempre predomina e genes agressivos são passados de pais para filhos.


Você deve pensar também no ambiente onde vai colocar seu filhote. Se você vive sozinho, será só você e seu futuro companheiro. Se vive com sua família, terá que pensar também nas crianças que irão conviver com ele. Assim, se o filhotinho for escolhido para seus filhos, o primeiro contato será muito importante, a interação com crianças mostra como o filhote irá se comportar quando adulto.


Escolhendo o seu animalzinho


Veja a seguir algumas orientações para escolher o seu grande companheiro:



  • Quando você coloca o filhote em algum lugar diferente e o chama com palmas, com voz suave, veja como ele vai vir até você. Se vier rapidamente, pular e tentar morder sua mão, é provável que seja um cachorro alfa, dominante; se vier com o rabo levantado e subir no seu colo, um cão intermediário e, se estiver de rabo baixo, mostrando submissão, um cão medroso.


  • Depois de chamá-lo, comece a andar. Se ele seguir atrás de você, tentando morder seu calcanhar, é um indicativo de um cachorro alfa; se seguir com o rabinho levantado, sua personalidade é intermediária; quando não o seguir, é o tipo de cachorro independente, que será mais difícil de ser treinado e, se seguir com o rabo abaixado, um cachorro submisso, que dificilmente poderá ser treinado.


  • Colocando o filhote de barriga para cima e a mão sobre seu peito você também pode perceber como é o seu futuro companheiro. Os dominantes podem rosnar e tentar morder sua mão; os intermediários irão espernear, tentar escapar e, finalmente, aceitar o carinho; os medrosos vão ficar imóveis, tentando olhar quem o está segurando e com o rabinho entre as pernas.


  • Se você colocar um filhotinho perto do seu rosto isso também mostra como ele vai interagir com você na idade adulta. Os dominantes vão querer morder o seu rosto, enquanto que os independentes vão querer escapar. Quando ele tentar lamber o nariz, pode confiar, são do tipo intermediário, enquanto que os mais medrosos vão evitar o contato.


  • Se você ainda tem dúvidas e quer fazer mais um teste, jogue qualquer objeto no chão e perceba a reação do filhote. Se for dominante, vai correr sobre ele para saber do que se trata; o medroso vai fugir imediatamente e o intermediário vai se assustar num primeiro momento, mas vai se mostrar curioso sobre o acontecimento e procurar saber do que se trata.



Até agora você viu as recomendações com relação ao comportamento futuro do seu companheiro, e isso é essencial para ter um amigo para o resto da vida. Mas também é preciso ter os cuidados na escolha da raça, na verificação do canil de onde provém, na higiene em que estão colocados quando você for escolher, no tipo físico do filhote.


Escolha um cão que possa ser companheiro, e não enfeite para sua casa. Ele tem personalidade, ele quer trocar experiências com você, e não ser apenas um bibelô.


Não se esqueça das primeiras vacinas, das visitas ao veterinário. Você tem uma criança em casa que precisa de mais atenção e carinho até mesmo do que um bebê. Afinal, um cachorro não sabe se comunicar com palavras, mas o comportamento que tem, o modo como olha para você, podem lhe dizer tudo o que está sentindo.